Avançar para o conteúdo principal

Laurentino Gomes a besta quadrada - História e Memória

 Anda por aí um sujeitinho armado em historiador que vem defender um "pedido de desculpas de Portugal" pela escravatura. Esta besta, de nome Laurentino Gomes, é mais um brasileiro revanchista ao melhor estilo bloco de esterco. Diz então este tontinho que Portugal deveria pedir desculpas pela escravatura e que tal pedido só ficaria bem ao país. Eu confesso que fico assustado com o grau de ignorância destes pseudo-historiadores que nada sabem de história. Será que esta besta tirou o curso num "caixote de sabão"?

Quem inventou a escravatura foram os árabes, mas ainda não vi ninguém a exigir um pedido de desculpas aos árabes! Foram eles os pioneiros do esclavagismo e ainda hoje praticam tal acto, mas de igual modo, ninguém se vem indignar com isso, só se indignam com os actos praticados pelos europeus. Aconselho a esta besta, assim como a outras bestas do seu calibre a leitura do livro "O Genocídio Ocultado" de Tidiane Diaye, ele explica lá com todas as letras como as coisas se passaram. Mas claro, como estes historiadores de pacotilha nunca leram aquilo que deve ser lido, ficam-se apenas pelos ditirambos esquerdistas à bloco de esterco e congéneres. Outro livro que deveria ser lido por quem afirma baboseiras do calibre deste pseudo-historiador é o livro de João Pedro Marques, "Combates Pela Verdade - Portugal e os Escravos".

Nos debates sobre o passado é frequente confundir-se memória e história. (...) ao contrário do que se diz [bloco de esterco e extremistas de esquerda em geral], a história não é escrita pelos vencedores, a memória sim, é imposta por eles. (...) A história deve ser sempre informada, crítica e plural. A memória não tem essas exigências, é parcial e selectiva, é a visão que um determinado grupo de pessoas tem do passado, e é ela que costuma ser alvo de apropriações e imposições. (...) Ora, a memória e a maneira como a usam são ou podem ser perigosas, porque há pessoas que acham, erradamente, que as memórias têm o mesmo rigor e valor da história.

Acham também que podem impor a sua memória dos factos, muito particular, invadindo a história e calando os historiadores. (...) Pensam estas bestas como se o passado fosse o presente e se regesse pelas regras e princípios dos nossos dias. Mas não fazem mais do que negar a história [os activistas gnósticos], não pensam historicamente mas sim ideologicamente, da pior ideologia que possa haver!

Estas bestas à Laurentino Gomes e à bloco de esterco ignoram (porque nada sabem de história) que os ocidentais que durante séculos se aproveitaram de um negócio iniciado pelos árabes, foram permitindo a escravatura mas não ignoravam a ética, mas a forma como resolviam os problemas e dilemas sociais e morais que à época se lhes apresentavam eram diferentes da nossa - a tal burrice de querer julgar o passado à luz dos valores actuais!!

Culpar e desculpar, condenar e absolver, elogiar e denegrir são tendências e práticas da memória e não da história. Mas perante a falta de argumentos válidos, perante a ignorância generalizada e a falta de investigação e estudo sério, confunde-se a todo o momento história e memória, atribuindo-se características da primeira à segunda e vice-versa. HISTÓRIA E MEMÓRIA SÃO COISAS DISTINTAS.

As memórias representam visões parcelares, emotivas e muitas vezes tendenciosas do passado, visões que procuram mitificar certos aspectos e apagar outros [o constante apagamento da história praticado pela extrema-esquerda, ou a falsificação do passado] que não agradam ou não encaixam nas visões distorcidas dos burros armados em historiadores, pretendendo conservar, invocar e perpetuar a falsificação do passado, que é a forma como os extremistas de esquerda pretendem construir o futuro. Por outro lado, as memórias podem distorcer realidades passadas e omitir boa parte dessas realidades.

Pelo contrário, a história é o campo do rigor e da verdade; mostra as duas faces das moedas, é crítica (está nos antípodas da memória), é global e tenta ser equilibrada e imparcial, sem fazer julgamentos morais ou juízos de valor de qualquer espécie, coisa que a memória faz a todo o momento. É a história e não a memória que reúne e analisa as recordações das pessoas, que as compara entre si, que as confronta com documentos e outros registos do que aconteceu, e que explicita e interpreta os factos. A história não foi feita para determinar culpas ou tecer loas - isso são atributos da memória -, não é feita para condenar ou absolver, é feita para explicar os acontecimentos.

Cambada de burrinhos e de bestas quadradas que nada sabem de história, leiam, investiguem e estudem em condições!!!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Joe Bidé - o palhaço americano

 Eu arrisco-me a dizer, apesar de pouco tempo ainda na presidência americana, que este actual presidente dos EUA é já o pior presidente da democracia americana. Ele e o mulato Obama, o muçulmano disfarçado de cristão e o falso americano. Andam a desestabilizar zonas já de si muito instáveis num profundo desrespeitado por tudo e todos. Ai se fosse o Trump, quantas carvalhadas não teriam sido já proferidas, quantos impropérios lhe teriam sido lançados, quantas indignações se teriam feito notar, quantas manifestações de tontinhos amestrados não teriam já conhecido a luz do dia!! Veja-se este vídeo do palhaço americano a debitar tontices , coitadinho dele, que falta de categoria, que falta de sentido de Estado, que ZERO à esquerda! E os pacóvios votaram nesta merda?? E o Trump é que era mau!!! Enfim, que se há-de fazer a um bando de zarolhos, preocupados com os da "bolha", os LGBTS e restante merda panfletária, mais os defensores dos «falsos direitos humanos».  A procissão ainda

Coboiadas Ku Klux Klan e racismos zarolhos

Quando esta manhã começo a ouvir as notícias do dia não pude, não consegui mesmo, evitar dar umas sonoras gargalhadas com a notícia sobre uma inusitada e cómica peça jornalística sobre o racismo. A própria cara do jornalista, o seu tom muito sério e compenetrado era de ir às lágrimas...! Sem esquecer as ameaças a umas tontinhas do bloco de esterco e aos pindéricos que frequentam a casa mal-frequentada do SOS racismo, vítimas de ameaças (segundo os próprios) por parte de malvados racistas da resistência nacional e da coboiada à Ku Klux Klan . Estas declarações e supostas derivas racistas são do mais mirabolante que por aí se ouve. Esta gente não compreende, ou não quer compreender, que os portugueses estão fartos das suas falsas e mentirosas teorias, estão fartos de verem os símbolos nacionais e a nossa história conspurcada por gente que não merece a nacionalidade e nem tão pouco merecem partilhar o mesmo espaço nacional. Nada sabem de história, a sua visão está totalmente distorc

A vacina covideira, a agenda transhumanista e os bufos à nazi

 Há quem diga que esta vacina do covid 19 já existe pelo menos desde o final de 2012, o que significa que toda esta história não passou de um circo bem montado para desacreditar a humanidade e as suas liberdades. Não há forma directa de provar o que acabei de dizer, mas sabe-se que em princípios de 2012 houve uma reunião ao mais alto nível farmacêutico onde se decidiu que se tinha de criar uma vacina que desse muitos milhares de biliões de lucro ao cartel farmacêutico.  O mais grave de tudo é quando  lemos uma notícia DESTE CALIBRE , que afirma por a+b que os vacinados têm 600%   mais hipóteses de morrerem pela variante delta do que os não vacinados!!!  Como é que é??? 600% mais de hipóteses??? Mas afinal para que é a vacina?? Para que é este circo todo??? E ninguém [imprensa, mé(r)dias em geral, responsáveis] fala disto? As putativas "teorias da conspiração" afinal começam a revelar-se verdades incontestáveis, veja-se aqui este exemplo de experiências nanotecnológicas nos or