Avançar para o conteúdo principal

A Noção de "cultura de massas"

 Contrariamente à cultura propriamente dita a "cultura de massas" é muito mais personalista e individualista, revelando, por vezes, aspectos bem característicos de alienação e de complexos de superioridade e até mesmo de inferioridade.

A cultura de massas desenvolveu-se muito a partir de 1960. Não surpreende que assim fosse pois, é uma cultura que obedece a padrões típicos dos meios de produção industrial em massa ou em série. À produção em massa necessário se mostrou haver consumo em massa; modas, tendências, marcas, mimetismos com a respectiva publicitação pelos meios de comunicação igualmente de massas. Os critérios de rendimento e rendibilidade sobre a produção cultural também ajudaram ao aparecimento da cultura de massas.

O problema aqui, como em tudo, resume-se à forma como as coisas são apreendidas e entendidas. É certo que existe uma uniformização da mensagem mediática, mas não é certo que exista uma uniformização da recepção da mensagem mediática. Isto é, não se pode confundir "cultura para as massas" e "cultura de massas". São conceitos diferentes, quer nos seus princípios, quer nos seus objectivos gerais.

As particularidades culturais de cada grupo ou pessoa fazem com que uma mensagem mediática seja analisada e entendida de modos diversos, sendo reinterpretada segundo as lógicas culturais de cada povo, grupo ou pessoa. Não representa, de modo algum, uma cultura mundial. Este tipo de cultura está ligada ao conceito de escolha, que se revela na perfeição no modo de vestir, de estar, de se alimentar, do que se faz ou não, as diversas escolhas nos mais diversos parâmetros sociais. De forma simples, o que se compra ou não, o que se consome ou não. Comer, vestir-se, falar, conversar, estudar, investigar, e outras coisas, pertencem a mundividências diferenciadas que marcam a pertença a determinados grupos e classes sociais particulares.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Pfizer Director Assaults James O'Keefe & Veritas Staff; Destroys iPad Sh...

Os vídeos que irão de seguida ser apresentados foram censurados e apagados pelo youtube. Mas os mesmos foram novamente subidos e podem lá ser visualizados. Não se sabe até quando, pois a matéria é altamente sensível e não deverá demorar muito até serem novamente eliminados. Portanto, o meu conselho é fazerem cópias dos mesmos e divulgá-los, massivamente. Para toda a gente perceber que tipo de gente está à frente dos destinos do mundo. Basicamente a história destes dois vídeos resume-se do seguinte modo: o indivíduo que aparece no vídeo (o mulato, ai que coisa racista...!) é o número 3 da Pfizer, um dos diretores de um dos departamentos da mesma. Pelos vistos é homossexual e conheceu o jornalista, James O´Keefe, (sem saber que o mesmo era jornalista) para um típico jantar de engate. O jantar decorre e o jornalista infiltrado com uma câmara escondida dentro da camisa começa a fazer perguntas sobre a Pfizer, as vacinas e as novas variantes. O mulato (lá está o racista...!) c

As conexões entre o comunismo e a maçonaria

«Até à revolução russa em França, assim como em outros países e também na Rússia, os franco-mações militavam nos partidos aderentes à 2ª internacional socialista (fundada em 1889, após a dissolução de 1880 da 1ª internacional fundada em Londres em 1864). Numerosos maçons socialistas viram com bons olhos a primeira fase da revolução russa que, com Kerensky, trazia para o poder numerosos irmãos. Uma parte deles aprovaram com entusiasmo a revolução dos sovietes instigada por Lenine e Trotsky. [...] No 2º congresso da 3ª internacional socialista realizada entre 9 de Julho e 7 de Agosto de 1919, em Petrogrado e depois em Moscovo, elaboraram-se as condições exigidas aos partidos socialistas para se transformarem em comunistas. O texto compunha-se de 21 condições para a adesão à 3ª internacional socialista que ficou célebre pelo nome "das 21 condições de Moscovo". [...] a 22ª condição: irmão ou camarada, é preciso escolher. O facto é que a maioria dos maçons ignora

O herdeiro do estalinismo

 O mundo inteiro, ou quase, ficou pasmado com o discurso de Putin no passado dia 9 deste mês. Estamos em presença de um fenómeno perfeitamente identificável com o estalinismo. Um certo fundo filosófico, infelizmente já bem antigo e deformado de forma monstruosa por Estaline, foi novamente resgatado das profundezas do antigo regime soviético. A tradição literária russa fazia, com efeito, do diabo personagem indomável que nunca é mencionado mas que na sombra fornecia a chave para a resolução e compreensão da trama do romance. Gogol, antes da sua conversão, não deixou de interessar pelo tema com o seu indiscutível génio. Dostoievski disse-o de forma magistral, procurando através da via da mentira monstruosa a voz da verdade.     9 de maio em Moscovo, flanqueado pelo seu Estado Maior de múmias brejnevianas Putin justifica o injustificável (tradução da legenda) Quando a mentira se torna desconcertante, não apenas se trata os interlocutores de imbecis e se tenta humilhá-los, como a predispos